HELLO DARKNESS

HELLO DARKNESS

JUST A LITTLE REMINDER...

JUST A LITTLE REMINDER...

REMARKABLE PEOPLE



FERNANDO PESSOA

(Lisboa, 1888 - 1935, Lisboa)


"Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.


************
"I am nothing.
I will never be anything.
I cannot want to be anything.
Apart from that, I have in me all the dreams in the world."

or...

"I am not nothing.
I will never be nothing.
I cannot want to be nothing.
Apart from that, I have in me all the dreams in the world."


(Álvaro de Campos in "Tabacaria")




LISBOA - Chiado

LISBOA - Chiado
"Fernando Pessoa" by Lagoa Henriques. The place: "Café A Brasileira" (Brazilian Café) - 1905.

PLAYLIST TODAY




MUSIC IS THE PASSION REPORT



♥ ♥ ♥


PLAYING SOFTLY WHILE SOMEONE SANG THE BLUES



Saturday, Jul 22, 2017 - 17:57





SALVADOR SOBRAL - NEM EU [DORIVAL CAYMMI]



YouTube – "Salvador Sobral - Tópico"





ANTONY HEGARTY + LEONARD COHEN - IF IT BE YOUR WILL [COHEN]



YouTube – "Oggmonster"





CHAN MARSHALL (CAT POWER) - I'VE BEEN LOVING YOU TOO LONG [OTIS REDDING]



YouTube – "anaruido"





JANIS JOPLIN - ME & BOBBY MCGEE [CHRIS CHRISTOPHERSON]



YouTube – "ThE DuCk"





JEFF BUCKLEY - LILAC WINE [JAMES SHELTON]



YouTube – " roberta panzeri"





DAVID BOWIE - WILD IS THE WIND [JOHNNY MATHIS]



YouTube – "Peter Music HD"







_____________________


LEANING INTO THE AFTERNOONS by PABLO NERUDA

«Inclinado en las Tardes»



YouTube - "FourSeasons Productions"






CHANGING BATTERIES - OSCAR WINNING ANIMATED SHORT FILM



YouTube - "Bzzz Day"





DIALA BRISLY - A BEAUTIFUL YOUNG LADY

(a huge thanks to my daughter who e-mailed this video to me)



BBC Newsnight

«Syria is devastated by five years of war - and it's taken a huge toll on the country's children. Here's one woman - artist Diala Brisly - who is trying to make life that little bit more bearable for Syria's kids.»

Syria is devastated by five years of war - and it's taken a huge toll on the country's children. Here's one woman -...

Publicado por BBC Newsnight em Domingo, 20 de Março de 2016






A JOURNEY BACK TO ENDEARMENT

A JOURNEY BACK TO ENDEARMENT



FLYING A SECRET



I got here to hide. From equations and patterns. From repetition, after all.
Closed the door and got me a special place where I thought I could
somehow sit close to the stars. But I soon found out that the sky was
still opaque, no matter what the steps. And so I left. Again.

I thought, then, I could build me a different ceiling, a new-coloured scrap
of highness. And then make it work. Where I could dream, more than I sleep.
I have long decided that sleeping is overrated - that I know for sure. So I
take that time instead to travel the night alone and in the meantime I allow
myself to fly, unlike stated before... Yes, I like playing with paradox, to
expose the inside of words and the revelation of writing down the voice of a
silence. My adventurous, ever-walking silence.

So I came back. Here, within this quiet world, I intend to gather all my
things usually kept hidden or inactive. They are here to speak.

And since the future is a stand-by secret, I want to live by a precocious
clock, at every running instant of every entering second.

And I will not slow down until my "future exists now" - kind of reverse
quoting Jacob Bronowski.


Ana Vassalo
in my site "CAFEÍNA"(former "No Flying Allowed")
Nov 11, 2010 - 11:54



THE WALK OF TIME

THE WALK OF TIME

terça-feira, 1 de setembro de 2009

DO QUE NÃO DIGO...





Do que não digo…


Na palavra cerceada,

De sopro forte e latente

Em alquimias goradas

No cruzamento das mentes,

Há um cantar de Janeiros

Que a brisa quente ignorou

E em seu chegar derradeiro

De sonhos findos me achou…

Na palavra que me calo

Paira um deserto em demora

De um certo tempo de amoras

Que o oásis não logrou…

Há uma lembrança de cheiros

Nos campos do Outubro frio…

Frondosa a mata, em roteiro,

Num deslizar de arrepios!

E existe um olhar achado

Nas manhãs de terno abrigo,

Praça do adeus desbravado

Num galopar sem castigo!

Há ribeiros de água solta

Nessa palavra que habito,

Mantos de prata que agito

No despojar da revolta.

Há uns dias em que parto

Nas palavras de sair

E vagueio na paragem…

Sou luz breve da certeza

De um fogo de ser intenso

Que em sequestro me detém.

Cego eu de paixão vítrea!

Na febre de ser mais dias

Que um viver de dias farto

E errâncias por definir,

Perco-me lá… pela margem

Sentando a vida em leveza,

Num torpor liso, de incenso,

Que pairando me sustém!...

Sei da noite inquestionável,

Desdobrada à minha frente,

A que um dia me rendi

Em cocktails de gente,

Na rasura descartável

Dos fracassos que bebi!

Havia nela um princípio

Sem fogo, mas de artifício,

Nos abraços de néon…

Estampando telas de olhar

Por entre orgias de som,

Calava um grito de mar

Na vida que tinha sede…

Das alturas, não da rede!

Sento-me aqui, penso o mundo…

É denso o mato, em ocaso,

Onde me embrenho, lunar…

De encruzilhadas me afundo,

Veludo em teias de acaso,

Presas do tempo a chorar!

Lembro as tardes do dizer,

Abraços de um tempo a ferver

Acordes de água em marulho!

Deito o meu olhar vazio

No lençol de toque frio,

Versos-cama em que mergulho.

Falo de mim… e da espera,

Nela me acho sem terra…

Nesse partir já corrente

Sou o rompante, sem brio,

De uma alvorada em desvio

Que de mim o caos ressente.

Quisera eu ser metade

De um sonho a parir verdade

E assim mesmo, já bastante!...

Mas… sou de feitos tardia…

Só me encontro, já distante,

No silêncio que há nos dias…


Sou carta de marinhar,

Farol de estrelas que arrisco

E pela saudade me abismo…

Morro no chão de voltar!


Que me cansei de nascer

Na palavra que não digo!


Sou sempre a nau de saída

Que navega a despedida

Nos olhos fartos de ver!...


Ana Vassalo

25-05-2009
Posted 25-05-2009


Origem das Imagens: Webshots.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Comentários: