HELLO DARKNESS

HELLO DARKNESS

JUST A LITTLE REMINDER...

JUST A LITTLE REMINDER...

REMARKABLE PEOPLE



FERNANDO PESSOA

(Lisboa, 1888 - 1935, Lisboa)


"Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.


************
"I am nothing.
I will never be anything.
I cannot want to be anything.
Apart from that, I have in me all the dreams in the world."

or...

"I am not nothing.
I will never be nothing.
I cannot want to be nothing.
Apart from that, I have in me all the dreams in the world."


(Álvaro de Campos in "Tabacaria")




LISBOA - Chiado

LISBOA - Chiado
"Fernando Pessoa" by Lagoa Henriques. The place: "Café A Brasileira" (Brazilian Café) - 1905.

PLAYLIST TODAY




MUSIC IS THE PASSION REPORT



♥ ♥ ♥


PLAYING SOFTLY WHILE SOMEONE SANG THE BLUES



Saturday, Jul 22, 2017 - 17:57





SALVADOR SOBRAL - NEM EU [DORIVAL CAYMMI]



YouTube – "Salvador Sobral - Tópico"





ANTONY HEGARTY + LEONARD COHEN - IF IT BE YOUR WILL [COHEN]



YouTube – "Oggmonster"





CHAN MARSHALL (CAT POWER) - I'VE BEEN LOVING YOU TOO LONG [OTIS REDDING]



YouTube – "anaruido"





JANIS JOPLIN - ME & BOBBY MCGEE [CHRIS CHRISTOPHERSON]



YouTube – "ThE DuCk"





JEFF BUCKLEY - LILAC WINE [JAMES SHELTON]



YouTube – " roberta panzeri"





DAVID BOWIE - WILD IS THE WIND [JOHNNY MATHIS]



YouTube – "Peter Music HD"







_____________________


LEANING INTO THE AFTERNOONS by PABLO NERUDA

«Inclinado en las Tardes»



YouTube - "FourSeasons Productions"






CHANGING BATTERIES - OSCAR WINNING ANIMATED SHORT FILM



YouTube - "Bzzz Day"





DIALA BRISLY - A BEAUTIFUL YOUNG LADY

(a huge thanks to my daughter who e-mailed this video to me)



BBC Newsnight

«Syria is devastated by five years of war - and it's taken a huge toll on the country's children. Here's one woman - artist Diala Brisly - who is trying to make life that little bit more bearable for Syria's kids.»

Syria is devastated by five years of war - and it's taken a huge toll on the country's children. Here's one woman -...

Publicado por BBC Newsnight em Domingo, 20 de Março de 2016






A JOURNEY BACK TO ENDEARMENT

A JOURNEY BACK TO ENDEARMENT



FLYING A SECRET



I got here to hide. From equations and patterns. From repetition, after all.
Closed the door and got me a special place where I thought I could
somehow sit close to the stars. But I soon found out that the sky was
still opaque, no matter what the steps. And so I left. Again.

I thought, then, I could build me a different ceiling, a new-coloured scrap
of highness. And then make it work. Where I could dream, more than I sleep.
I have long decided that sleeping is overrated - that I know for sure. So I
take that time instead to travel the night alone and in the meantime I allow
myself to fly, unlike stated before... Yes, I like playing with paradox, to
expose the inside of words and the revelation of writing down the voice of a
silence. My adventurous, ever-walking silence.

So I came back. Here, within this quiet world, I intend to gather all my
things usually kept hidden or inactive. They are here to speak.

And since the future is a stand-by secret, I want to live by a precocious
clock, at every running instant of every entering second.

And I will not slow down until my "future exists now" - kind of reverse
quoting Jacob Bronowski.


Ana Vassalo
in my site "CAFEÍNA"(former "No Flying Allowed")
Nov 11, 2010 - 11:54



THE WALK OF TIME

THE WALK OF TIME

terça-feira, 1 de setembro de 2009

HOMENAGEM... A UM ANÓNIMO





Dionísia Bento




A um Anónimo



Meu grande, grande amor

Decidi hoje que não quero, nunca mais, que tudo aquilo que representas e representaste para o mundo continue anónimo.

Decidi ainda que não te vou deixar partir sem que se saiba que és uma Diva, e que mesmo com tudo o que te foi negado conseguiste, involuntariamente, construir a tua celebridade, feita de memórias quentes no coração de homens e mulheres que contigo se cruzaram.

A tua voz única, sofrida, bela, poderosa, conjugada com os teus olhos de açúcar, verdes, do verde marinho, viajou da tua pequena vila até muitos sítios.

Vou no táxi, entediada no inferno de trânsito desta minha encantada Lisboa, reconheço aquele sotaque cantante e doce, questiono a origem; “sabe, é engraçado, mas a minha mãe é sua conterrânea” – “atão miga, diga lá quem é que é a sua mãezinha a ver se a conheço” – “é a Dionísia” (digo assim, A Dionísia, com o indisfarçável orgulho que a experiente certeza de que será imediatamente reconhecida me dá) – “ a Dionísia que cantava o fado???” – “sim, essa mesmo…” (quero-lhe pedir que me fale dela, naquele glorioso passado, mas ele não me dá tempo) – “belos tempos, da nossa juventude, que alegria!, a sua mãezinha era uma linda mulher, sabe?, e depois a gente vinha subindo aqueles caminhos da estação até à vila e quando ela dava aqueles espectáculos na praça principal, a voz dela ecoava por aqueles cabeços e a gente chorava, sem saber como nem porquê, e era como se Deus falasse com a gente…” (vira rapidamente a cabeça para trás, para me olhar bem) – “ai a vida, o mundo é tão pequeno!...”

Foi uma breve passagem das muitas idênticas que vivi na tua amada terra, algumas mais em Lisboa, em Portalegre e outras paragens, por ali.

Contaram-me também que depois veio o reconhecimento internacional na forma de um contrato, que nunca foi assinado – os brandos costumes da “casa” não permitiam tal vida a uma mulher, ainda menos a uma menina de 18 anos…

E ainda que nunca ganhaste nada com isso, pois tudo o que ganhavas com os espectáculos entregavas - disseram-me mesmo que os Bombeiros da tua terra, entre outros, te deviam bastante. Tal e qual, assim. Seria já uma bela história de vida, para contares aos teus netos e bisnetos, mas não, não ficou por aqui.

Deste tudo, tanto, sempre embrulhado em amor, a tudo e todos que encontraste. Esbanjaste o teu sorriso lindo por essa vida. Na Guiné eras a “siô boa”, sempre generosa e criativa na forma de te dares com e aos outros.

Tudo aprendeste sozinha e sempre foste (eras, até há bem pouco), uma mulher informada, dinâmica e um ser extremamente social.

Davas-me cabo da cabeça com a tua inesgotável fonte de opiniões que, agora, eu tanto queria conhecer, mas... não temos tido oportunidade, certo?

Sempre achei que, a todos os Anjos, devia Deus ter dado as asas – em vez de serem privilégio somente dos aprovados por entidades falíveis. Mas não faz mal, Ele e o teu mundo conhecem-te e sabem exactamente o que conseguiste : voar a Vida.

Por tudo o que viveste, sofreste, amaste, engoliste em seco, abdicaste, aprendeste e ajudaste, minha Princesa de branco na alma, não existe, neste mundo de oferendas vãs, algo suficientemente grandioso para te compensar.

Por isso, só posso o que o coração me pede : fazer com que o mundo, embora apenas este pequeno fio da Rede, te conheça e testemunhe pelo teu exemplo que a Vida só vale a pena quando se faz a diferença, quando se aquece pelo menos uma alma das muitas que cruzamos no nosso caminhar.

E tu, minha Querida, acariciaste e aconchegaste a Vida de todos, porque cedo percebeste que o mundo não é maniqueísta, monocromático, não foi Criado para julgar e menos ainda para condenar. O mundo tem dias, só isso.

Que posso eu dizer-te mais, meu Amor, que tu não saibas já ?...

Como refere a tua querida Natacha, que roubou ao poeta o seu modo de vida, "(...) Porque a vida só se dá p'ra quem se deu/ P'ra quem amou, p'ra quem chorou, p'ra quem sofreu", a grande verdade de tudo isto é que, para ti, a coisa DEU-SE.

Até já, MÃE.


Ana Vassalo

16-10-2008 - 11:33H
Posted 16-10-2008


Origem das Imagens: fotos pessoais.

3 comentários:

  1. Tenho a honra de ser sobrinha desta diva desconhecida para o mundo mas muito amada por quem com ela teve o privilégio de conhecer e conviver. Obrigada Tia!

    ResponderEliminar
  2. Nem tenho palavras,amiga...só comoção...

    ResponderEliminar

Comentários: