HELLO DARKNESS

HELLO DARKNESS

JUST A LITTLE REMINDER...

JUST A LITTLE REMINDER...

REMARKABLE PEOPLE



FERNANDO PESSOA

(Lisboa, 1888 - 1935, Lisboa)


"Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.


************
"I am nothing.
I will never be anything.
I cannot want to be anything.
Apart from that, I have in me all the dreams in the world."

or...

"I am not nothing.
I will never be nothing.
I cannot want to be nothing.
Apart from that, I have in me all the dreams in the world."


(Álvaro de Campos in "Tabacaria")




LISBOA - Chiado

LISBOA - Chiado
"Fernando Pessoa" by Lagoa Henriques. The place: "Café A Brasileira" (Brazilian Café) - 1905.

PLAYLIST TODAY




MUSIC IS THE PASSION REPORT



♥ ♥ ♥


PLAYING SOFTLY WHILE SOMEONE SANG THE BLUES



Saturday, Jul 22, 2017 - 17:57





SALVADOR SOBRAL - NEM EU [DORIVAL CAYMMI]



YouTube – "Salvador Sobral - Tópico"





ANTONY HEGARTY + LEONARD COHEN - IF IT BE YOUR WILL [COHEN]



YouTube – "Oggmonster"





CHAN MARSHALL (CAT POWER) - I'VE BEEN LOVING YOU TOO LONG [OTIS REDDING]



YouTube – "anaruido"





JANIS JOPLIN - ME & BOBBY MCGEE [CHRIS CHRISTOPHERSON]



YouTube – "ThE DuCk"





JEFF BUCKLEY - LILAC WINE [JAMES SHELTON]



YouTube – " roberta panzeri"





DAVID BOWIE - WILD IS THE WIND [JOHNNY MATHIS]



YouTube – "Peter Music HD"







_____________________


LEANING INTO THE AFTERNOONS by PABLO NERUDA

«Inclinado en las Tardes»



YouTube - "FourSeasons Productions"






CHANGING BATTERIES - OSCAR WINNING ANIMATED SHORT FILM



YouTube - "Bzzz Day"





DIALA BRISLY - A BEAUTIFUL YOUNG LADY

(a huge thanks to my daughter who e-mailed this video to me)



BBC Newsnight

«Syria is devastated by five years of war - and it's taken a huge toll on the country's children. Here's one woman - artist Diala Brisly - who is trying to make life that little bit more bearable for Syria's kids.»

Syria is devastated by five years of war - and it's taken a huge toll on the country's children. Here's one woman -...

Publicado por BBC Newsnight em Domingo, 20 de Março de 2016






A JOURNEY BACK TO ENDEARMENT

A JOURNEY BACK TO ENDEARMENT



FLYING A SECRET



I got here to hide. From equations and patterns. From repetition, after all.
Closed the door and got me a special place where I thought I could
somehow sit close to the stars. But I soon found out that the sky was
still opaque, no matter what the steps. And so I left. Again.

I thought, then, I could build me a different ceiling, a new-coloured scrap
of highness. And then make it work. Where I could dream, more than I sleep.
I have long decided that sleeping is overrated - that I know for sure. So I
take that time instead to travel the night alone and in the meantime I allow
myself to fly, unlike stated before... Yes, I like playing with paradox, to
expose the inside of words and the revelation of writing down the voice of a
silence. My adventurous, ever-walking silence.

So I came back. Here, within this quiet world, I intend to gather all my
things usually kept hidden or inactive. They are here to speak.

And since the future is a stand-by secret, I want to live by a precocious
clock, at every running instant of every entering second.

And I will not slow down until my "future exists now" - kind of reverse
quoting Jacob Bronowski.


Ana Vassalo
in my site "CAFEÍNA"(former "No Flying Allowed")
Nov 11, 2010 - 11:54



THE WALK OF TIME

THE WALK OF TIME

sábado, 2 de julho de 2016

“Las puertas no se abren si tú no estás”





[ Foi há dois dias que a minha querida amiga Tania Estrada Morales, apresentada via net por uma outra amiga querida e ex-colega, Mónica Brás da Silva (mais uma menina das matemáticas e programações), me desafiou para uma espécie de parceria: escrever um poema subordinado ao título de um belíssimo conto seu, um título que eu adorei. Eis que a minha tarefa está cumprida. Em português, porque é a minha língua-pátria. ]


 
 





image source: web (edited)
 
 

          “Las puertas no se abren si tú no estás
 
 
 
 
Quando voltares, rega o arbusto pequeno que sobreviveu a tua ausência
           e se esconde atrás do pote grande de barro, lá fora, na entrada.
 
           A casa está fria de branca chuva, a cal a partir-se de saudade,
           enquanto os livros, desbotados de tempo, vão caindo em folhas soltas
           de abandono.
 
           Não pises as romãs que se esqueceram de resistir. Elas estão vivas,
           só lhes morreu a vontade de serem altas, por não te sentirem chegar.
           Agora dormem, baixinho, por um instante de descanso.
 
           O gato da rua de trás ainda vem sentar-se no poial da casa ao lado,
           para te receber. E sabes, adoptei dois cães. Um já morreu.
           Mas a cadelinha segue-me ainda, e parece procurar a tua sombra,
           deitada a um canto da porta da rua, em espera, como se um dia
           te tivesse conhecido.
 
           E os discos, empilhados ao lado dos invernos que nos acolhiam em natal,
           ainda acreditam em ti e no som das tuas mãos correndo o velho piano
           só para mim.
 
           O forno no lar da cozinha fechou-se, de desamparo. Lembra ainda
           os momentos em que o trazias à vida, para que a tua loucura
           me emboscasse a madrugada, com pão quente barrado a manteiga
           dos céus, aqueles pães pequeninos que preparavas de surpresa,
           para me acordares num quente sussurro de ternura.
 
           Quando voltares, pega a chave no canteiro, entra devagarinho e liga
           todos os circuitos em repouso. E quando subires à sala, não esqueças
           aquele degrau, o terceiro, ferido desses defeitos do campo
           que enumeravas por entre sarcasmo e alegria, de quem se sente por fim
           em casa.
 
           Pousa o casaco na cama do quarto cá de baixo e deixa os bolsos
           à mostra, com esse papel de poemas a espreitar, para que o descubra
           logo que chegue.
 
           Liga o aquecedor lá em cima e dá um jeitinho teu no caos
           do  esquecimento. Já sabes que entristeço se o surpreendo primeiro.
 
           Há café, vê no armário sobre a mesa da cozinha, a máquina ainda deve
           funcionar, e não esqueças, põe as bebidas no frigorífico. A noite há-de
           recordar-nos sempre, com vodka e gin e pepitas de romã, chin-chin!,
           batata palha com passas de aperitivo e caretas de enjoo a rematar,
           só para não termos de alinhar pratos.
 
           Monta o xadrez, que temos uma desforra por cumprir, e depois,
           prepara o carro para largarmos pela noite.
 
           Senta-te cá fora, de mansinho, na cadeirinha de verga, que eu hei-de
           estar a chegar.
 
           Jantar no bar do mosteiro, sim? Melão e presunto com flores de uva
           e cereja, gin tónico a borbulhar, pimentinhos em azeite, gaspacho,
           esporão de vida a rodar e café quente com lua. Na noite que tudo ouve,
           cá fora, histórias de mundo e de nada, a cisterna, mesmo ao lado,
           é lugar eterno preso a um instante, por um amor certo de acontecer.
 
           A casa sabe. Sabe de tudo o que esquecemos. E sobe aos meus olhos,
           fria, a partir-se de saudade.
 
           A chave afunda-se no tempo. E as portas morrem devagar.
 
 

          Ana Vassalo
          Jul 2, 2016
 

 

6 comentários:

  1. Ana, adorei a forma que deste a este convite da Tania.
    Tua poesia, inspirada no conto da Tania, transportou a minha mente com um facilidade e sensibilidade tremenda!
    Ate' a foto que escolheste trouxe um toque mistico especial...
    Beijo enorme,
    Monica

    ResponderEliminar
  2. Obrigada, minha querida, sabe bem ler palavrinhas tão boas das amigas. Saudades! Beijo enorme, Mónica.

    ResponderEliminar
  3. Ana gostei muito desta parceria "conto /poesía".
    A muitas frases lindas nesta poesía
    Liga o aquecedor lá em cima e dá um jeitinho teu no caosdo esquecimento.
    sabes que entristeço se o surpreendo primeiro.
    A riqueza de seu vocabulario da corpo, Ao titulo sentido de meu conto. E como eu lhe agradecou este belo momento,
    Amei sua poesia, Que venham novos momentos, onde sua poesia seja um lindo adereco para meu conto.
    beijo grande .
    Um abraco fraterno

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tania, minha querida, agradeço-te o convite e o belíssimo conto que deu origem a esta parceria. E especialmente o título, que sabes me encantou.
      Grata pelas tuas palavras boas e um grande beijo para ti, amiga. Abraço fraterno também.

      Eliminar
  4. Entre sonos( o meu estado natural) deparo-me com algo que há muito esperava: um novo poema que te viesse das entranhas, sejam elas memórias, cinzas de uma braseira apagada há muito, o ontem que regressa mas cabe no mesmo querer de hoje, a esperança das horas empertigadas e felizes ou o amor sempre tão presente nas tuas palavras que fazem com que seja visível cada situação que descreves. É um poema tão presente que até me/nos apetece intervir...vivenciamo-lo, somos intrusos mas damos as mãos e caminhamos contigo sem o tinir das algemas. Escrevi, escrevi porque nunca sei o que escrever quando leio a tua poesia (faz sentido?). É tão boa, tão única que melhor que a poesia é a tua poesia e o facto de conseguires que todos os sentidos se embrenhem nela! Obrigado, amiguinha, por mais um momento de puro êxtase. Beijocas, linda!

    ResponderEliminar
  5. Meu querido Zé Vicente, já sabes que entro em modo fungante quando me surpreendo com este tipo de comentários teus. Depois tens de me aturar e é bem feita - como verificaste hoje. Obrigada, meu amigo, nem sei que dizer-te a não ser o costume, que a recíproca é sentidamente verdadeira. Beijoca, lindo!

    ResponderEliminar

Comentários: