GRANDCHILDREN

GRANDCHILDREN

♥ GRANDCHILDREN ♥

♥ GRANDCHILDREN ♥

REMARKABLE PEOPLE



FERNANDO PESSOA

(Lisboa, 1888 - 1935, Lisboa)


"Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.


************
"I am nothing.
I will never be anything.
I cannot want to be anything.
Apart from that, I have in me all the dreams in the world."

or...

"I am not nothing.
I will never be nothing.
I cannot want to be nothing.
Apart from that, I have in me all the dreams in the world."


(Álvaro de Campos in "Tabacaria")




LISBOA - Chiado

LISBOA - Chiado
"Fernando Pessoa" by Lagoa Henriques. The place: "Café A Brasileira" (Brazilian Café) - 1905.

PLAYLIST TODAY




MUSIC IS THE PASSION REPORT



♥ ♥ ♥


GUITARS



Sep 10, 2016 - 06:13





ADAM LEVINE + PATRICK MONAHAN - PURPLE RAIN [PRINCE]



YouTube – "The Howard Stern Show"





ANN & NANCY WILSON (HEART) - STAIRWAY TO HEAVEN [LED ZEPPELIN]



YouTube – "The Kennedy Center"





PRINCE, TOM PETTY, STEVE WINWOOD, JEFF LYNNE, DHANI HARRISON & OTHERS - WHILE MY GUITAR GENTLY WEEPS [GEORGE HARRISON]



YouTube – "Rock & Roll Hall of Fame"





ERIC CLAPTON - RIVER OF TEARS



YouTube – "slunky08"





JEFF BUCKLEY - HALLELUJAH [LEONARD COHEN]



YouTube – " Danielle Katsav's Channel"





XUTOS & PONTAPÉS - HOMEM DO LEME



YouTube – "NoSa7"







_____________________


LEANING INTO THE AFTERNOONS by PABLO NERUDA

«Inclinado en las Tardes»



YouTube - "FourSeasons Productions"






CHANGING BATTERIES - OSCAR WINNING ANIMATED SHORT FILM



YouTube - "Bzzz Day"





DIALA BRISLY - A BEAUTIFUL YOUNG LADY

(a huge thanks to my daughter who e-mailed this video to me)



BBC Newsnight

«Syria is devastated by five years of war - and it's taken a huge toll on the country's children. Here's one woman - artist Diala Brisly - who is trying to make life that little bit more bearable for Syria's kids.»

Syria is devastated by five years of war - and it's taken a huge toll on the country's children. Here's one woman -...

Publicado por BBC Newsnight em Domingo, 20 de Março de 2016






A JOURNEY BACK TO ENDEARMENT

A JOURNEY BACK TO ENDEARMENT



FLYING A SECRET



I got here to hide. From equations and patterns. From repetition, after all.
Closed the door and got me a special place where I thought I could
somehow sit close to the stars. But I soon found out that the sky was
still opaque, no matter what the steps. And so I left. Again.

I thought, then, I could build me a different ceiling, a new-coloured scrap
of highness. And then make it work. Where I could dream, more than I sleep.
I have long decided that sleeping is overrated - that I know for sure. So I
take that time instead to travel the night alone and in the meantime I allow
myself to fly, unlike stated before... Yes, I like playing with paradox, to
expose the inside of words and the revelation of writing down the voice of a
silence. My adventurous, ever-walking silence.

So I came back. Here, within this quiet world, I intend to gather all my
things usually kept hidden or inactive. They are here to speak.

And since the future is a stand-by secret, I want to live by a precocious
clock, at every running instant of every entering second.

And I will not slow down until my "future exists now" - kind of reverse
quoting Jacob Bronowski.


Ana Vassalo
in my site "CAFEÍNA"(former "No Flying Allowed")
Nov 11, 2010 - 11:54



THE WALK OF TIME

THE WALK OF TIME

domingo, 30 de junho de 2013

panos de muralha






panos de muralha
 
olho em volta
tonta em voltas
a vertigem como sombra
o lugar que aqui sou hoje
sulcado de papel amarfanhado
de ideias já feitas de chão
e uma dor pequenina que se arrasta pela mente

 
sei que além do puro mundo da evasão
não há pedaços de azul
na vida a que risquei o mar
sei
mas nem a tristeza alcança
não comparece na incromática do tempo
de um lugar que não navega

 
há poesia ausente, despedida do peito
e as palavras estão usadas
fartas de si e de terapia de alienação
juncadas no desperdício
como cinza como finais

 
há poesia ausente no cigarro ao lado
usado como amigo
que se matou por acidente
logo após matar mais um bocadinho
e é agora testemunho do tão pouco que há nas flores

 
a música informa que há um resto de oxigénio
no caminhar que se perdeu de luares e abrigo
e a noite sossega a alma em euforia emprestada

 
fomos lá, sim, ensaiar dias de festa
com acenos de regresso e alegria
e amigos por fim de improviso
roda de samba com cheiro a cravos
de Lisboa e tunas, meu amor Lisboa
(sem Castelo nem Cerca nem Santa Luzia
meu amor Lisboa que me fugiste um dia)

 
e a cerveja e o palco eterno do hábito
cedido ao riso que é esquecimento
por um dia pelas horas
um infinito de saudade
que não sai nem permanece
aguça e queima e sitia
retoma e recai e abandona

 
e leva de nós o pedaço mais frágil do mundo
a que um dia comparecemos
e a que sabíamos um só nome...

 
depois a vida depois o silêncio
que se perde pelas notas
da pauta que nos soube e era em nós

 
um pedaço de mundo arrancado
que agarra o calor do tempo
como chama sobrevivente
mascara um instante de frio
mas parte sem se virar
sem cuidar
olhos sem olhos

 
a tinta desbotada no papel amachucado
como coração quieto
como sístole dominada
como esse sossego pobre
da resistência sem ar
que um dia soube o poema
e a respiração da chuva

 
gota por gota a janela da palavra
nesse olhar que encontrado se perdia
e se vestia do branco mais vasto que há
de luz e glória e conquista
nos corpos feitos de letras
escrevendo por nós um Amor
nos muros que há por aí

 
Ana Vassalo
30-Jun-2013 – 10:24

Imagem: Lisboa, montagem - Cerca Fernandina, Bar Cerca Moura, Miradouro de Santa Luzia e Castelo de S. Jorge.


Sem comentários:

Enviar um comentário

Comentários: